Desfado by Ana Moura

Quer o destino que eu não creia no destino
E o meu fado é nem ter fado nenhum
Cantá-lo bem sem sequer o ter sentido
Senti-lo como ninguém, mas não ter sentido algum

Ai que tristeza, esta minha alegria
Ai que alegria, esta tão grande tristeza
Esperar que um dia eu não espere mais um dia
Por aquele que nunca vem e que aqui esteve presente

Ai que saudade
Que eu tenho de ter saudade
Saudades de ter alguém
Que aqui está e não existe
Sentir-me triste
Só por me sentir tão bem
E alegre sentir-me bem
Só por eu andar tão triste

Ai se eu pudesse não cantar “ai se eu pudesse”
E lamentasse não ter mais nenhum lamento
Talvez ouvisse no silêncio que fizesse
Uma voz que fosse minha cantar alguém cá dentro

Ai que desgraça esta sorte que me assiste
Ai mas que sorte eu viver tão desgraçada
Na incerteza que nada mais certo existe
Além da grande certeza de não estar certa de nada

Whether the fate that I do not believe in fate
And it’s my fate that I don’t have any fate
Sing it well without even have the felling
Felling like no one, but do not have any sense

Oh how sad this joy that I have
Oh how glad, this deep sadness!
Wait for the day that I don’t wait for another day
For someone that never arrives and that have been present

Oh how I miss
To have something to miss
Miss having someone
That has been here and does not exist
To feel sad
Just because I’m feeling so well and happy
To feel happy
Just because I’m feeling so sad

Oh if I could not sing “oh if I could”
And regretted not having any more sorry
Maybe I could hear, then, as I fell silent,
A voice that was my singing somebody in here

Oh what misfortune, this good luck befallen on me!
Oh what good luck to live in such an unfortunate manner
With the incertitude that no thing is more certain
Than the great incertitude of being certain about nothing

2 thoughts on “Desfado by Ana Moura

Comments are closed.