Eu e o WordPress

No decorrer destes anos, sim este não foi o meu primeiro blogue criado. Quer dizer, até foi, este blogue tem sete anos mas não lhe dei muito uso, inicialmente escrevia sobre curiosidades culturais, locais na cidade do Porto, tradições portuguesas, era um blogue, mais vocacionado para o turismo. Na altura, poucos me liam, também não postava com grande frequência, apenas quando achava que tinha algo “muito interessante” para escrever, escrevia.

Nessa altura, o meu conteúdo era mais a nível de fotografia e video criativos, gostava de ligar os dois, juntar um pouco de música e voilá, o conteúdo acabava por sair.

Entretanto, estive muitos anos sem publicar no blogue, este espaço foi perdendo qualquer tipo de interesse para mim, na altura, não seguia ninguém em especial e, pouco me prendia aqui.

Só em 2018 é que voltei a publicar, criei um novo espaço, que não este, e aos pouco comecei por desabafar e escrever como forma de terapia, de analise e entendimento. Qual foi o meu espanto em ver que alguém se começava a interessar pelo que eu escrevia. Começava a ter alguns seguidores e, eu própria começava a seguir outras pessoas, gostava das suas escritas, do seu conteúdo.

Havia um pouco de ingenuidade em mim, na altura, achava que as pessoas que me seguiam tinham interesse no que eu escrevia, até certo ponto, estava certa, algumas tinham. Nos comentários podia ver quem tinha assimilado meus textos, fosse para comentar de forma construtiva, acrescentar conteúdo, e outras vezes, apenas deixavam suas impressões. Foi saudável e, ainda é. Mantenho muitos desses leitores com muito carinho e juntos, navegamos nas escritas uns dos outros em ondas de inspiração e reconhecimento de trabalhos.

Neste processo, comecei a perceber algo que também me estava a acontecer noutra plataforma social, Instagram. As pessoas vinham ao meu blogue, deixavam o seu gosto nos últimos três posts, tornavam-se seguidores das minhas escritas e, eu por respeito fazia o mesmo, após ler o blogue dessas pessoas tornava-me sua seguidora. A questão, foi quando me apercebi, que após eu fazer isso, passado uns meses ou até dias, os utilizadores já não me estavam a seguir.

(Deixo um pequeno à parte: não me importo minimamente que me deixem de seguir, por vezes identificamo-nos com determinado conteúdo e passado um tempo deixamos de identificar, deixamos de seguir. Até aqui é completamente legitimo.)

A questão em si, é que neste caso, comecei a aperceber-me de que estas técnicas eram feitas para “agregação de seguidores”, das quais, eu sou completamente contra. Na minha perspectiva, quando seguimos alguém é porque gostamos do conteúdo que essa pessoa escreve, acompanhamos a sua jornada e, aos poucos através das suas escritas começamos a personalizar essa pessoa – deixa de ser aquela imagem que ali aparece e começamos a montar um puzzle de forma a dar vida à pessoa. Os próprios comentários ajudam muito nessa situação.

Escusado será dizer que, já tenho amigos reais que começaram com estas conversas, conheci pessoalmente as pessoas (quando se mostraram disponíveis para tal), são pessoas magnificas que não diferem muito da ideia que era transmitida nos seus textos e comentários, pessoas como eu e o leitor deste texto.

Quando leio um post de quem sigo, deixo uma indicação – para mim um “like”, uma espécie de sinal (até para mim mesma saber que li aquele conteúdo), quando não gosto do conteúdo ou não li, abstenho-me não coloco o “like” (para mim funciona como uma espécie de visto).

Confesso que não estou muito preocupada com estes assuntos dos “likes” e afins. Agora, algo que não entendo é como não seguindo um blogue, se põe gostos em todos os posts que temos. Se a pessoa não leu seu conteúdo, porque ir a todos os posts colocar gostos? Não consigo entender. Se me deixassem a explicação, eu agradecia profundamente porque pode ser algo que eu não esteja a alcançar.

Eu não me encontro no WordPress para angariar seguidores, estou aqui, porque adoro escrever, criar, debater ideias, entrar noutros mundos. Se tiver que ser obrigada a faze-lo, simplesmente, não o faço.

De agora para o futuro, terei algumas situações que irei mudar no que respeita ás interacções com outros blogues. Algumas delas será fazer uma limpeza a blogues que me seguiram apenas por seguir e eu, sem querer, acabei por cometer o mesmo erro. Outros, que em tempos manti contacto mas, com o tempo, o perdi.

Não me deveria estar a justificar com este post, mas confesso, que esta industria de “likes” e seguidores não tem o rumo nem a finalidade que eu pretendo.

Doravante, continuarei a deixar “like” no que li, comentários no que senti necessidade a tal, e só seguir bloguers que realmente me identifique com o conteúdo (já o faço). Esta, será a minha posição.

Portanto, aqueles bloguers que depararem com o meu blogue e me “correrem” a gostos, não os irei seguir nem colocar gostos nesses blogues, porque notoriamente, não leram o conteúdo.

Qualquer dúvida poderá ser resolvida na zona dos comentários, para quem perdeu tempo  ler este post. Quando temos pouco tempo, devemos ter mais critérios onde deixar esses tempos, e eu respeito.

Advertisement

24 thoughts on “Eu e o WordPress

  1. Irina, me identifiquei muito! Meu blog tem apenas 3 meses, mas o conselho que me deram um dia foi comentar em vários e dar like em tudo. E a minha resposta foi: não estou em busca de números. Essa obsessão por like muda o foco do que realmente queremos. No meu caso, é igual o seu: adoro escrever e quero interagir de verdade com as pessoas.

    Um amigo até me contou outro dia que um influencer com mais de 100.000 seguidores lançou tipo um curso e nem 20 seguidores se interessaram. Definitivamente, não é sobre números. Beijos!

    1. Sim, é verdade Nicole. É escrever por prazer. Muito do que posto no wordpress são os meus pensamento soltos fora de contexto, muito, textos que são anotações de coisas escritas mais profundas que tenho.
      Quando sigo e gosto, mostro, senão acaba por ser perca de tempo de trabalho que poderíamos estar a criar.
      Um abraço e obrigada por comentar.

  2. Só tu! És terrível…

    Sabes, que compreendo perfeitamente o que dizes, ainda o outro dia falamos sobre isso.
    Eu apaguei o meu blogue e deixei de publicar, exatamente por isso, parecia que me “sentia no dever de seguir A, B ou C”, comentar etc… Quando o que eu queria era só vir aqui expor uma ideia e, se calhasse, debater.

    Sigo-te e continuarei a seguir porque te gosto de ler, mas compreendo o que falas.

    Cumprimentos minha querida (a quem posso chamar amiga).

  3. Eu uitilzo o “like” como você, por isso qdo um post não tem essa opção deixa-me meio que perdida.
    Além de tudo q vc citou, acrescentaria um movimento recente de blogs evangelizadores. Parecem ter um certo conteúdo, e de repente, lá vem um versículo ou coisa parecida.

    1. Sim, Miau, é algo que já me apercebi também. Estamos a ler um conteudo, e de repente, do nada, aparece coisas totalmente fora de contexto e seguem a partir daí. Mas lá está, temos sempre a opção de não seguir.
      Acho que não existe nenhuma “obrigatoriedade” em seguir o que não nos interessa. Se for com o intuito de estar informados sobre outros pontos de vista, é válido, mas se não temos qualquer tipo de identificação com esse contudo, para quê?
      O tempo é algo que deve ser bem organizado, e eu, prefiro-o “gastar” no que gosto a ler coisas que gosto e me identifico.
      Quando as leio, nem sempre tenho o que dizer, é um facto, e nem sempre leio no dia da publicação, mas gosto do conteúdo que se escreve e daí, deixo o “like” como “li, e assimilei”.
      Um beijinho.

  4. Nos quatro anos e tal que tenho de blogosfera através do “discretamente” já deu para perceber os absurdos que acontecem quase todos os dias, nomeadamente vários posts serem “lidos no mesmo minuto” e dessa leitura supersónica resultarem uma fartura de likes. Como a Irina tão bem descreve.
    Inclusivamente isso já aconteceu com pessoas em que eu não esperaria tal atitude. Mas foi uma situação pontual e eu “perdoei”….porque normalmente não fazem isso e acompanham regularmente o blog e até comentam. Nessas situações específicas, eu prefiro ver como “uma prova de confiança no meu trabalho”…
    Quando são outros que desconheço ou que fazem isso sistematicamente, simplesmente ignoro os seus blogs, caso os tenham. Se esperam que eu faça o mesmo, nunca o farei.

    1. É um bom ponto de vista Dulce.
      Eu sou suspeita, porque aprecio imenso o seu blogue e, se nem sempre o vou ver no dia em que faz publicação, eventualmente vou sempre lá parar para ler os sentires/olhares da Dulce. Nem sempre comento, é um facto, mas leio sempre.

      Relativamente a pessoas que não esperaria atitudes, sim, já me aconteceu. Inclusive à pouco tempo, uma pessoa que considerava amiga, que trocava alguns pensares comigo e, chegou mesmo a haver correspondência por e-mail onde se demonstrava muito curioso na minha escrita e afirmava várias vezes para “não deixar de escrever que me adorava ler”, de repente, deixou de seguir o meu blogue e responder a comentários feitos no dele.
      Foi uma pena, porque apesar de tudo, tinha alguns posts bastante bons mas por não se mostrar muito “disponível” e deixar de haver troca de pensares, acabei também por deixar de seguir seu blogue e ficar um pouco magoada com a situação.

      Mas como tudo, a vida segue para a frente, e neste universo imenso de informação, é isso mesmo, perdoar e seguir para a frente que é caminho, existe inúmeras informações interessantes, com conteúdos muito interessantes.

      (Acabou por haver aqui um pequeno desabafo, de algo que fiquei sentida, não ligue). Embora o post que descrevi abrangia um universo maior.

      Um beijo grande Dulce.

  5. You are so funny. This was not a waste of time!!! I think pretty much everyone would understand!!! It’s an odd world and I have learned as well that lots of followers just want followers…whatever. I’m ok with it….but I COMPLETELY understand!!! Sending You huge hugs!!! 💕💕💕

  6. Muito legal Irina, no ultimo mês estava sofrendo esse ataque com um seguidor, ele ficava seguindo e depois deixava de seguir por vários dias, porque não me identifiquei com o conteúdo dele . isso também é um fenômeno no instagram.

    1. Sim é verdade Ed, no Instagram é bem mais comum.
      Eu é do género, alguém me segue, vou ao perfil da pessoa e, se me interessar o conteúdo sigo, senão, a vida segue…

  7. Boa noite..sou novata por aqui…tbm criei meu blog a pouco mais de 3 meses..somente com o interesse de nele expor meus pensamentos..nada de numeros seguidores…apenas usa lo como forma tbm de poder expresar meus reais sentimentos sem compromissos com metas….fazer dele um lugarzinho so meu…onde aprendo mto c todos…lições de vida…enfim…lindo texto este seu Irina.parabéns.fique c Deus.abraço

    1. Obrigada Renata, por partilhar.
      Sim, aqui no wordpress existem inúmeros objectivos, escrever por gosto já parece uma relíquia hoje em dia.
      Fico feliz por saber que existe outras pessoas que partilham da mesma opinião.
      Um grande abraço

      1. Sim é vdd o gosto pela escrita assim como o da leitura tbm hj em dia é sinônimo de relíquia infelizmente..abraco..fica c Deus…Bom dia a vc Irina.

      2. Sim Renata, é uma relíquia mesmo.
        As pessoas, hoje em dia, gostam de consumo rápido e sem qualidade e pensar dá muito trabalho, escrever, ainda dá mais.
        Fico feliz que haja gente como a Renata.
        Um abraço e um bom dia também para ti.

  8. Conhecendo a professora, percebo o seu desabafo.
    Infelizmente, todos os locais da internet estão cheios dos ditos “influencers” que fazem esse tipo de situação, agregadores de gostos e afins.

    Continue a escrever, gosto de ler, mesmo que não apareça muitas vezes gosto muito de a seguir.

Comments are closed.