Arte – De 2009 a 2021

Abstração vermelha, acrílico sobre tela, 50 x 60 cms, 2009, coleção privada Braga. Por Irina Marques.
Pelo Vermelho, Acrílico sobre papel de tela, 41 x 32.8 cm, 2021. Por Irina Marques

Chegar da obra de 2009 à de 2021, sobre o mesmo tema requer:

  • muito pensar
  • aprofundar
  • estudar
  • compreender
  • pensar novamente
  • ir mais além
  • outra visão
  • deslocar
  • centralizar
  • e pensar
  • organizar
  • harmonizar
  • comunicar.
  • Largar.

Assim vivo na arte.

25 thoughts on “Arte – De 2009 a 2021

  1. Tanta diferença e tanta semelhança!
    Mantêm-se os contrastes, os desejos, a paixão….mas de uma forma mais ordenada, segura, confiante, etc.
    Fazem um belíssimo conjunto!
    Bj e um bom fim-de-semana!

  2. Sabe, Irina, quando comecei a escrever, não no blog, mas na vida profissional e na literatura e depois com a fotografia, sempre me perguntaram sobre inspiração. Minha resposta sempre foi a mesma: nunca tive, trabalho com ideias e todo um lado metódico para atingir o objetivo. Isso significa falta de sensibilidade? Não, absolutamente não. Apenas compreender que racionalizar pode ser também um caminho para o que desejamos. Olhos tua arte com profunda admiração e sentimento porque é isso que nos entrega e ao ler tua lista sei a razão de tanto talento é sensibilidade estarem à vista. Fico muito feliz em encontrar na tua sensibilidade, traduzida em arte, a paz e harmonia que já falamos. Abraço sempre carinhoso.

    1. Fernando, fico feliz por suas palavras assertivas. E por conseguir entender a minha sensibilidade. Quanto à inspiração – tudo me inspira mas sobretudo a vida, os ciclos e as lições da natureza. Olhando profundamente para nossa natureza e quebrando algumas barreiras do incompreensível, desmistificando e desvendando alguns locais conseguimos ter uma plena consciência da beleza de tudo, todos em nossa envolvência. A minha arte faz-me pensar muito na vida, nas vivências, nos caminhos e nos períodos que atravessamos.
      Esta era das “redes sociais” fazem-nos perder muito da nossa essência, ao afastar um pouco desse imediatismo e desumanidade para o qual caminhamos, tentamos mostrar que a vida está ao nosso redor a decorrer devagar, a apreciar o momento presente e a agradecer todas as experiências que tivemos até então.
      Eu vejo as coisas assim, e com isso tento transformar em arte, paz, harmonia e com um pouco de criatividade.
      Fico profundamente sensibilizada com as suas palavras e por conseguir entender a minha arte. Um beijinho muito grande e um abraço primaveril de encontro ao seu outono. Esperança em melhores períodos e cuide-se por favor.

Comments are closed.