Dobro do trabalho, dobro da produtividade.

Aos poucos começo a desvanecer, daqui e dali, terá sentido?

A 8 de Outubro escrevi um post no blogue a propósito das redes sociais, e onde estava presente, olhando para trás creio que foi um absurdo.

Nestes últimos dias, tenho aos poucos, apagado algumas redes sociais e sinto-me mal com isso? Bem, não. Creio, que tenho vindo a ganhar tempo com isso. Eu não necessito estar em todo o lado, nem consigo e aos poucos, nem quero.

Porquê? São vários os motivos. Aos poucos continuarei a apagar certos locais porque pensava que eles iriam ser uma coisa e tornaram-se outra.

Coisa que não sinto falta nenhuma Tiktok, confesso que nem sei porque instalei aquilo (consumir espaço no telemóvel provavelmente e ver fotos de gatos a fazerem traquinices), mas espera, eu tenho dois gatos em casa, para quê ver os gatos dos outros a verem aquilo que os meus fazem? Enquanto isso, lá pelo meio apareciam coisas que me faziam perder tempo e não tinha interesse nenhum – passa, passa, passa… – e enquanto que a cabeça começa a reproduzir e assimilar esse padrão.

Outra “rede social” que apaguei foi o Linkedin, nunca a utilizei devidamente e começou a não fazer sentido na minha cabeça ter aquela rede social.

No mesmo caminho e para a próxima semana – Flickr, Artpal, Unplash, Shutterstock, Pinterest serão as próximas, não as uso para quê as ter?

A Etsy, criei conta mas nunca a ativei, tenho as minhas reservas em o fazer, razões criativas.

Agora resta-me, e creio que estas ultimas se prendem com o “fomo” – Facebook (que já não uso praticamente), ponho-me a pensar como é possível hoje em dia desejarmos bonecos em vez de falarmos com as pessoas e aqui estão incluídas pessoas de família então no Natal, Ano Novo, e esses festejos pessoas familiares que já me disseram que é mais fácil “mandar bonecada” do que estar a falar com as pessoas por telefone. Ponho a pensar “Será que se eu desaparecer dali darão conta? Será que isso me interessa? ” Aos anos que tenho facebook, provavelmente a “rede social” que tenho á mais tempo e aos poucos tenho visto a mutação estranha que ela tem sofrido “gosto?/like?” .

Passando para a próxima – Twitter, praticamente não uso, os meus posts de wordpress vão lá parar.

Instagram – nem me apetece falar sobre esta, creio que a mantenho por causa das minhas obras, mas para quê? Será “fomo”?

Eu não sei que caminho iriei tomar nos próximos dias, uma coisa será certa: o site da wix continuarei a ter, o reddit, o meu canal de youtube (que também anda parado) e aqui o wordpress ainda continuará a funcionar (dentro das minhas limitações).

Mas confesso e este post não é de todo para me dizerem “não fiques ou, fica“, não a sério que este e um desabafo e um pensamento que ando mesmo a ponderar.

Agora é começar a fazer na minha mente, as pequenas razões para que o faço e se continuará a valer a pena…

Photo by Sven Read on Unsplash

31 thoughts on “Dobro do trabalho, dobro da produtividade.

  1. Irina tenho pensado em fazer isto também. Desapegar do que não me serve mais… falta tempo e coragem. Preguicinha boa 👀Mas aos poucos vou apagar coisas inúteis. Tenho algumas.
    Bom diaaaaaa bjs

  2. Sabe, Irina, excluindo o WP, a única rede social que estive inserido foi o Instagram e por muito pouco tempo. O que deveria ser uma espécie de portfólio virtual, perdeu a finalidade e apaguei. Antes, até estive em alguns sites de fotografia pelo mesmo motivo e desisti ou desistiram de mim. Não sinto falta. Nenhuma. As outras listadas por ti nem pensar. Hoje, estou repensando continuar aqui, sou daqueles que acreditam em ciclos. Sinto que o meu no WP está no fim. O tempo dirá. Apenas não quero de jeito algum perder o contato de pessoas como tu, que acrescentam em minha vida e são importantes. Fica bem e continue firme com tua arte, que essencial para nós. O meu abraço fraterno.

    1. Mantenho o WordPress exatamente pela mesma razão Fernando, certos ciclos são revigorantes e acrescentam muito, fazem-nos pensar, acrescentam, mostram outros lados mas confesso que tenho a mesma perceção que o Fernando, o meu WP já viu melhores dias e o tempo o dirá. Gestão de tempo provavelmente marcará o rumo, talvez.
      Aprecio bastante as suas fotos e pensamentos a sua sensibilidade também me toca e por isso agradeço-lhe. Um abraço forte e com muita força nestes dias complicados.

  3. Bom dia Irina..confesso que so tenho este espaco aqui comigo…outros que ja tive e nao mais facebook que e algo inútil que so nos serve para ver a vida alheia e detesto isso e instagran..mas este irei te lo novamente sendo apenas para trabalho expor meus desenhos em breve ..sera conta comercial…de resto nunca tive e nao terei..a nossa vida e tao corrida com tantas coisas a serem feitas que nao precisamos disto e perda de tempo….espero que ao menos vc mantenha este espaco aqui nao queremos perder o contato com vc..e saiba de verdade que vc assim como algumas pessoas poucas..me cativaram verdadeiramente ainda que mto longico estejamos.tenho mto respeito,admiração e carinho amizade por ti.fica c Deus!!

    1. Bom dia Renata.
      Quando entrei para o facebook (já ia atrasada, isto é, ele já existia á imenso tempo) toda as pessoas falavam que era por lá que se falavam etc. Entrei e, de facto, encontrei amigos de longa data, alguns retomei ligações outros, não sei nada. Aquilo foi evoluindo de tal forma que perdi qualquer interesse em interagir e até mesmo publicar. A agravar, pessoas de família já não falavam. Sou capaz de estar tempos sem lá ir e o sentimento é “será que é assim tão importante?” a resposta é sempre a mesma “não”. Abrir o facebook para mim, hoje em dia, é tipo tortura, não consigo estar num local a fazer scroll, scroll… O instagram têm-se passado exatamente o mesmo… Nunca gostei de processar informação assim. Passei a apenas manter lá os meus trabalhos mas mesmo assim, não representam nada porque o que faço não se enquadra no local onde está inserido.
      Este espaço aqui no WordPress, mantenho sim, ocasionalmente faço posts mas, como deve ter vindo a reparar, já não tenho estado tão ativa aqui (por inúmeras razões). Eu agradeço muito Renata, também gosto profundamente do seu expressar e apesar de longe, aqui a distancia pode ficar mais curta um pouco, sim. Um abraço grande.

  4. Apaguei vários aplicativos de rede social e não sinto falta. Mantenho FB e Instagram por motivos profissionais. Mas, sim, como se perde tempo com isso! Tanto a fazer, viver, ler, desfrutar e nós com rostos colados a telas de celulares. Não quero essa história para minha vida.

    1. Eu tentei manter exatamente por isso, mas mesmo assim, não funciona para mim.
      Exatamente por causa desse efeito, desde há uns tempos para cá que desinstalei tudo do meu telemóvel e reservo uma determinada altura especifica do dia, no pc, para tentar acompanhar o que me é possível.

  5. Irina, muitas das redes sociais que usas nem conheço. Acho que, de vez em quando, faz-nos bem um detox digital. Somos escravos das redes sociais! Eu uso muito WhatsApp para comunicar com os amigos e a família. Apaguei o meu perfil LinkedIn e criei um novo, mais por obrigação. Descobri o Instagram há uns meses e só publico fotografias de paisagens. Facebook uso raramente porque há muito lixo pelo meio. Identifiquei-me com o teu relato. Brijinhos. 🌻

    1. Esqueci-me do WhatsApp, raramente uso.
      Eu estou a começar a deixar tudo isso, não me tem feito falta, mantenho o wordpress e o meu site, o restante, ando mesmo a ponderar.
      Obrigada Filipa, um beijinho.

  6. Irina,
    Obrigado por teres escrito aquilo que eu penso mas que não passei a papel. Sim, a papel. Confesso que ainda hoje escrevo à mão no meu diário quotidiano. Porquê? Pelas mesmas razões que salientas neste teu desabafo. Podia simplesmente dar-me a mim próprio um “like” do dia que se passou mas gosto de escrever sobre ele. Assim com as minhas amizades e família, quero encontrar as pessoas na palavra, na voz, e não apenas nos “likes” do FB. O “like” infelizmente é a maneira mais curta para comunicar com alguém. Talvez seja melhor do que nada mas nunca pode substituir o que estamos aqui a fazer: trocar ideas, pensamentos, fala.

    Eu não uso o FB mas vejo o que os outros postam e acho que não é uma rede social para mim. Aliás só estou na Twitter e aqui na WordPress. Há tempos tenho pensado em criar uma conta na Instagram mas cada vez que penso nisso, desvio-me desta idea.

    Sabes, Irina, não podemos estar em todos os lugares e acabamos em ficar em nenhum. Fazes bem avaliar como queres passar o teu tempo. Todos nós devíamos fazer o mesmo. Será que afinal a nossa presença nas redes sociais seja tão importante? Talvez tenha a sua utilidade mas é limitada. Devemos escolher as maneiras mais propícias para comunicarmos com os outros mas a qualidade tem mais valor do que a quantidade.

    Será que poderia ter dito isto tudo apenas com um “like” no seu post? Mas responder a alguém, como estou a fazer aqui, requer tempo e concentração. Escrever isto é de uma maneira passar tempo com a pessoa que escrevo. Por isso prefiro ter menos amigos, menos followers, mas pelo menos ter contato desta qualidade que a Irina convida a nós que visitamos o seu site.

    Por mim, sentiria a sua falta se a Irina deixasse de ter a sua presença aqui neste seu espaço virtual em que recebe os seus amigos de longe.

    Pronto. Já escrevi demais. Talvez o simples “like” tivesse sido suficiente. Mas acho que não.

    Mais uma vez, obrigado pela sua presença aqui onde eu, no Canadá, posso ter uma conversa consigo em Portugal. Um abraço, Emanuel

  7. Olá Irina,
    Obrigado por teres escrito aquilo que eu penso mas que não passei a papel. Sim, a papel. Confesso que ainda hoje escrevo à mão no meu diário quotidiano. Porquê? Pelas mesmas razões que salientas neste teu desabafo. Podia simplesmente dar-me a mim próprio um “like” do dia que se passou mas gosto de escrever sobre ele. Assim com as minhas amizades e família, quero encontrar as pessoas na palavra, na voz, e não apenas nos “likes” do FB. O “like” infelizmente é a maneira mais curta para comunicar com alguém. Talvez seja melhor do que nada mas nunca pode substituir o que estamos aqui a fazer: trocar ideas, pensamentos, fala.

    Eu não uso o FB mas vejo o que os outros postam e acho que não é uma rede social para mim. Aliás só estou na Twitter e aqui na WordPress. Há tempos tenho pensado em criar uma conta na Instagram mas cada vez que penso nisso, desvio-me desta idea.

    Sabes, Irina, não podemos estar em todos os lugares e acabamos em ficar em nenhum. Fazes bem avaliar como queres passar o teu tempo. Todos nós devíamos fazer o mesmo. Será que afinal a nossa presença nas redes sociais seja tão importante? Talvez tenha a sua utilidade mas é limitada. Devemos escolher as maneiras mais propícias para comunicarmos com os outros mas a qualidade tem mais valor do que a quantidade.

    Será que poderia ter dito isto tudo apenas com um “like” no seu post? Mas responder a alguém, como estou a fazer aqui, requer tempo e concentração. Escrever isto é de uma maneira passar tempo com a pessoa que escrevo. Por isso prefiro ter menos amigos, menos followers, mas pelo menos ter contato desta qualidade que a Irina convida a nós que visitamos o seu site.

    Por mim, sentiria a sua falta se a Irina deixasse de ter a sua presença aqui neste seu espaço virtual em que recebe os seus amigos de longe.

    Pronto. Já escrevi demais. Talvez o simples “like” tivesse sido suficiente. Mas acho que não.

    Mais uma vez, obrigado pela sua presença aqui onde eu, no Canadá, posso ter uma conversa consigo em Portugal. Um abraço, Emanuel

    1. Olá Emanuel, desde já agradeço-te imenso o teu comentário e acredita, eu entendo o “like”.

      Desde há uns tempos para cá também tenho voltado à amiga caneta e papel, contudo sei que há bem pouco tempo, postava aqui regularmente, registava muito do que me ia na cabeça (infelizmente sempre assim foi). Dentro desta desarrumação tive que arrumar algumas ideias creio, que aos poucos estou a conseguir. Confesso que me estou a habituar um pouco a viver sem estas plataformas mas se gosto de trocar ideias, pensamentos e modos de ver coisas, sim – aprendemos uns com os outros sempre.

      Mas disseste tudo, não podemos estar em todos os lugares e, concordo com tudo o que disseste tudo mesmo!

      Acredita que a minha ideia quando me iniciei no WP nem sequer pensava em ter followers, foi sempre como terapia. Vá, abusei dessa terapia no inverno, contudo, aprendemos – a escrita é algo que pertence a cada um de forma muito pessoal por isso voltar à boa maneira antiga.

      Tenho muito gosto de através desta plataforma te ter conhecido e agradeço-te, muito mesmo, a disponibilidade de tempo. Mantenho-me no WP, a escrever um pouco menos que o habitual.

      Um abraço forte em retorno, e que maravilhosa paisagem que me proporcionaste ao olhar hoje.

  8. As motivações que levam cada um a entrar numa rede social são tão importantes como as motivações que levam posteriormente a sair. Assim como a Irina já percebeu que algumas não interessavam, irá daqui para a frente continuar nessa triagem, tipo “selecção natural”.
    Penso que nisto temos que ser um pouco “egoístas” e apenas pensar o que realmente é importante para nós. Quando uma rede social começa a ser apenas sentida como “tempo”… como tempo perdido, realmente não vale a pena continuar. O tempo é precioso demais para ser desperdiçado.
    Mas se ainda permite o jogo dar/receber, provavelmente ainda algo está vivo e vale a pena.
    Eu vejo assim!
    Bjs e um dia feliz!

    1. Acaba por ser tempo, nem sempre tempo perdido mas é tempo.
      Claro que todos temos diversas experiências com a internet é válido. Talvez eu, esteja num ponto de exaustão por minha própria conta também.
      Um beijo e um dia feliz, Dulce.

  9. Claro que gostava que mantivesse o blog, porque gosto de a seguir. Mas mais do que isso, é importante que faça o que gosta e que tenha prazer nos conteúdos que publica e nos que vê nas restantes redes sociais.
    Um beijinho

    1. Olá Marta. Sim manterei o blogue não tenho é muito tempo para me dedicar a ele. Quanto ás outras redes, por enquanto quase que ando inativa e não sei se lá ficarei, logo se verá.
      Obrigada e um beijinho.

  10. Cada um suas contribuições, nos comentários acima, trouxe um pedaço do que seu post me provocou.
    O pequeno recado que deixo a ti, Irina, é que as redes sociais se encaminham para o lugar da obrigação: é preciso se tornar membro, fazer parte, interagir a todo tempo… mas no fim das contas somos órgãos vivos cheios de fases e vontades que mudam com o passar do tempo, até mesmo em um único dia.
    Seja qual for a sua escolha, que a faça bem! Um abraço 🌼

    1. Lara, cada um tem suas opiniões, motivações, necessidades entre outras coisas, todas elas são de respeitar e se há algo sempre presente em mim é isso mesmo, o respeito que nutro por cada pessoa, ser individual, na sua caminhada na vida. Podemos nos identificar com determinada característica mas cada um tem as suas vivências e não são todas iguais para todos.
      Eu vejo para onde as redes sociais estão a ir, a questão que tenho vindo a observar é – quero usar a internet livremente ou já será esta plataforma que me está a usar a mim? Não sei se me faço entender.
      E somos sim, esses seres em constantes mutações cheios de vontades, sonhos, incertezas, seguranças, etc.. (tudo no mesmo dia).
      Estamos sempre a mudar, sim, olho para textos que tinha no meu antigo blogue (que escrevi na altura) e sinto essas diferenças, de 3 anos – adquirimos vivencias, mudamos – todos nós somos assim.
      Agradeço muito o teu contributo. Certo é, a atividade que ficará será nas plataformas já referidas, as restantes, logo se verá. Abraço forte e espero que se encontre bem.

  11. I hear You, Irina, and can so relate. WordPress is my only thing. Friends urged and urged and urged me to do facebook and instagram for my art. I tried a couple of times. I found it all so draining and decided I just don’t care. If I’m a slow train who sells not very much art because of it…I seriously am ok with that. 🤣 Cheers and ROCK ON!!! So nice to read You again!!! Huge hugs Your way! ❤️❤️❤️

    1. I like to be a slow train Katy I’m really glad to be like that! At least in here. 🙂
      It is so good to see that you are good nice too know news from you.
      Cheers and hugs! 😉

  12. Irina querida! De todo é interessante fazer esses filtros porque muita coisa realmente so consome o nosso tempo ou deixa a memória cheia, mas enfim espero que você encontre o melhor caminho para seguir. Aquele abraço!🙌🏿

  13. Olá Irina! Espero que esteja tudo bem contigo! 🙂
    Não deixa de ser irónico que o primeiro post que leio teu, neste meu regresso às redes sociais, seja precisamente este. Dizer que percebo estas motivações seria um eufemismo. Eu também as sinto em determinados momentos.
    Do meu ponto de vista, o maior perigo das redes sociais é que nos tornamos facilmente reféns delas. Seja por pressão social, por desejo de integração, por mera curiosidade, ou qualquer outro motivo. E é por isso que sair é ainda mais difícil. Até hoje, nunca saí deliberadamente de nenhuma rede social, mas também confesso que apenas entrei em meia dúzia – se tanto. Acho que por gostar demasiado da vida, do real, nunca me identifiquei verdadeiramente com o espírito das redes, da criação de um modo de vida virtual (obviamente, não nego as evidentes vantagens que trazem).
    Tenho conseguido fazer uns “social media-detox” (só para parecer que sou muito “para a frente”), mas descubro um monte de benefícios desses tempos “parados” 🙂
    Agora, ainda bem que voltei, porque sabe sempre tão, mas tão bem, juntar-me de novo a esta comunidade que fui encontrando aqui no WordPress.
    Um beijinho!

    1. Olá Migs!

      Volta e meia é assim, vamos nos cruzando aqui ou ali, ciclos é algo tão natural e saudável.

      Estou a fazer esse “detox” tão necessário (usando esta linguagem). E, vamos ver como correrá este – está a ser bastante produtivo. Confesso que no inverno com o covid e isolamento tentei alguns caminhos pela internet, foi uma aprendizagem. Agora, a poder novamente sair um pouco bem… é muito diferente.

      Esse sentimento de sentir “refém” delas, tento-o evitar a todo o custo, sempre tentei e aí entra o “detox”, novamente.

      Não tenho vida virtual, entendo quem as tenha e não condeno, são formas e meios válidos para todos.

      É bom ver-te por aqui. Bem vindo de volta! Com certeza, vamos nos cruzando nestes ciclos.
      Beijinhos!

Comments are closed.